cidade de cinzas

 

 

O final ainda não está escrito.

 

Se você decidir que é hora de tomar um avião e aguentar 12 horas de voo para chegar ao Brasil, se você acha que está certo de ir para tirar fotos pensando de saber o que está à espera, isso significa que você tem alguns problemas e não parecem facilmente solucionável .

Em São Paulo, ou pelo menos, em uma pequena parte, passei nove dias, pouco tempo mesmo para descobrir onde eu estava, muito pouco. Apenas suficiente para saber do que pode precisar e como parece um abrigo, para você, em São Paulo.

Então, busquei refúgio nos detalhes, de modo de não deixar-me rasgar do quadro total, que é São Paulo e que termina em algum momento após do horizonte.

A cidade de cinzas não se parece com qualquer lugar que pode ser definido como tal. A cidade de cinzas é algo que vai além do conceito de lugar. A cidade de cinzas é uma idéia louca que está a sua frente, nos seus olhos sem seguir os critérios da perspectiva linear. Cresce na crosta terrestre e se estende seguindo a curvatura natural dela.

Como pode parecer aterrorizante a ausência de um ponto de fuga onde você esperava encontrá-lo?

Agora, depois de quatro anos, quedaram todas estas imagens daqueles dias passados na Praça Roosevelt.

Em todo esse tempo eu reparei-as e mirei-as, dezenas de vezes, essas fotos sempre iguais a si mesmas, enquanto eu, Praça Roosevelt e toda a galera que conheci lá, estávamos mudando.

Desenvolvi os primeiros negativos em Veneza quando a memória ainda estava fresca e o jetleg ainda não era passado inteiramente. Fiz os primeiros scans em apenas uma tarde, que ainda não estava concluído outubro. Construí uma caixa para segurar o que vi enquanto Leo escreveu-me de São Paulo para me dizer que tinha descobrido que tinha câncer e que ele pensava em mim como o pai que ele nunca teve. Queimei o disco rígido onde ficava todo o trabalho já feito quando Leo foi preso por assassinato, e naquela noite eu não dormi. Peguei novamente todo o material agora, assim que retomei o contato com todos os caras que conheci lá na Praça Roosevelt naqueles dias, infelizmente entre esses caras não há Leo.